Quarta-feira, 11 de Julho de 2007

Se...

 

Se eu fosse uma certeza,

 

Se eu fosse uma esperança,

 

Se eu fosse o canto alegre na madrugada,

 

Se eu fosse o suspiro feliz do amor,

 

Se eu fosse o sol da manhã clara,

 

Se eu fosse a imensidão do mar,

 

Se eu fosse...

 

Se...

 

Se eu fosse tudo isto,

 

Não era eu, não !

 

Se eu fosse isto, não existia,

 

Seria a escuridão do sol

 

Numa manhã fria !

sinto-me:
tags:
publicado por templum às 22:27
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De Anónimo a 12 de Julho de 2007 às 01:26
Mais um lindo poema!
Parabéns!
Um dia em vez de "se" irás dizer:
"Eu sou..."

Manela
De Anónimo a 13 de Julho de 2007 às 16:03

Mais uma vez brindaste quem por ti admiração sente.

Dir-te-ei:

Não tendo sido tu a minha esperança
Tudo em ti eu apostei
Agora quero manter a lembrança
De um AMÔR que alcancei
E da sorte que nunca esperei

Tudo parece encaminhado
És tu o meu caminho
Deixaste-me aprisionada
Não mais ficarás sozinho
De Anónimo a 13 de Julho de 2007 às 17:07
Olá!
No meio da tristeza e da solidão uma luz surgiu para alguém. Pena não me alcançar.

Beijos
De CHRIS a 11 de Agosto de 2007 às 16:50
não te questiones tanto.....a vida afinal`è feita de ....momentos.
De Anónimo a 12 de Agosto de 2007 às 17:55
Passei para dar uma olhada no teu Blog. Gostei do que li.
Fiquei surpreendido com as declarações de amor, era suposto comentarem o que escreves.
Não resisto a fazer um reparo à menina que tanto amor te dedica.
Parece um romance de fazer chorar as pedras da calçada, muito medieval.
Com que então o povo está com inveja!? Quer destruir o vosso amor!!! Nem parece que estamos no séc.XXI. Que comovente!
E o cordão é pra quê? Quer prender o seu amor? Tem medo que ele fuja? Não faça isso.
Fico à espera de mais cartas de amor ridículas, ou melhor, dos poemas do autor deste Blog, esses sim, merecem todo o meu apreço.

Rodrigo
De luana a 16 de Agosto de 2007 às 00:28
É provável que não consigas ser tudo isto ao mesmo tempo, em determinados momentos da vida. Mas serás certamente um pouco de cada, em muitos deles, isso eu arrisco a dizer..Assim sendo, só podes ser tu certamente..
beijo
De Anónimo a 16 de Agosto de 2007 às 00:43
Reparei que tiraste (a meu ver muito bem) a declaração de amor ridícula que te dedicaram, sendo assim, o meu comentário já não faz sentido.
Continua a escrever os teus poemas, não desistas...
Fico a aguardar o próximo

Rodrigo
De Anónimo a 18 de Dezembro de 2007 às 12:07
Se...
Se ainda houvesse uma réstia de luz
Se não me sentisse tão vazia
Se ainda acreditasse

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Solidão

. ESPERO...

. OU...

. Se...

.

. ...

. À Minha Mãe

. PALAVRAS

. EXORTAÇÃO

. Agosto da minha infância

.arquivos

. Outubro 2008

. Janeiro 2008

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds